Arquivos diários: 15 de maio de 2014


PADRÃO FIFA DE GROSSERIA

É lamentável a fala própria de colonizadores seiscentistas com que os dirigentes da FIFA tratam os brasileiros. Sem qualquer traço diplomático.

 

Grosseiras nas posições e falsos nas colocações. Eles aceitaram o Brasil como sede da Copa do Mundo 2014. Conheciam a cultura do País e as formas de agir da gente brasileira.

 

Não há nenhuma novidade na construção dos estádios. Sempre aconteceram atrasos em obras públicas nestas bandas. A ausência de uma infraestrutura ferroviária é sabida.

 

Todos têm plena liberdade de se locomover no território nacional. Nada é objeto de censura ou deformação de imagem por parte dos brasileiros ou de seus governos estaduais e do federal.

 

Mentirosa, portanto, a exposição de dirigente da FIFA. Quem escolheu o Brasil foram os membros do organismo de futebol. Se o governo da época, solicitou jogos por todo o território nacional cabia aos dirigentes da FIFA impugnar o pedido.

 

Agora, é tarde para vir com agressões verbais descabidas. A FIFA já causou muito mal ao Brasil. Exigiu alteração de leis com o objetivo de obter lucro na venda de bebidas, por exemplo.

 

Fez imposições que transformaram nossos estádios em arenas de luxo, sem lugar para os torcedores humildes. Impôs exigências descabidas a uma sociedade terceiro mundista.

 

Foram sempre os dirigentes da FIFA recebidos com cordialidade e cortesia. Aqui silenciaram, quando se encontram em seus países de origem ofendem e agridem a todos os brasileiros.

 

É bom que o episódio cale profundamente na consciência nacional brasileira. É descabido aceitar exigências desmedidas para a realização de um mero evento esportivo.

 

Este, na verdade, de esportivo tem pouco. É um voraz agente de negócios e propagador de vícios, como bebidas alcoólicas, no interior dos estádios. Tinha-se vencido esta etapa, retrocedeu-se por malefício da FIFA.

 

Vaidosos e pretensiosos se mostram os atuais dirigentes da entidade do futebol. Deveriam receber aulas de boas maneiras antes de se comunicarem com a comunidade internacional.

 

Se os europeus não conhecem geografia econômica, não é culpa dos sul-americanos. É demonstração de uma visão egocêntrica que não aprecia ver a realidade do mundo.

 

A Copa irá se realizar. Tudo dentro dos estádios ocorrerá normalmente. Mas, não pode a FIFA, a partir de sua arrogância, exigir que a população não proteste e demonstre seu desamor com as verbas despendidas astronomicamente.

 

Já passou o tempo de se ouvir calado os impropérios de falsos agentes dos povos ditos civilizados. Fiquem com sua arrogância e abandonem o ar de colonizador enfadado.

 

Os povos latino-americanos já sofreram muito com as estultices de vários representantes dos países centrais. Querem agora respeito, tal como respeitam todas as opiniões.

 

Aprendeu-se, agora, mais um elemento: o padrão FIFA de grosseria. Haverá resposta. É inevitável.

 

É só esperar junho. Está próximo.